12 de julho de 2010

Por quem.


Eu olhava o tempo passar, como se fosse o vento. Eu não podia deixar que ele pasasse também como os outros. Eu queria poder gostar dele, poder dizer que amava ele. Queria que ele fosse especial, que fosse ele o dono do meu coração. Queria poder olhar para ele, e poder dizer que o amava. Um certo dia ele disse que gostava de mim. Eu não sei de que forma ele quis dizer, mas acho que é meio por este lado que você está pensando mesmo. Eu não consegui me conter. E disse logo o que achava e pensava. Bem, eu não tinha nenhuma certeza dos meus sentimentos ainda, mas eu disse que gostava dele também. Eu não sei porquê, mas eu fui dormir daquela noite feliz. Como assim, eu estava feliz por uma coisa tão idiota dessas? Bem, é. Foi difícil aceitar isso, mas eu tive que aceitar. Era idiota. Eu nunca tinha falado com ele antes, nem nada. Ele era amigo dos meus amigos. E só. Eu nunca tinha visto esse garoto na minha vida, nunca. Ele parecia ser legal como todos alegavam. Era estranho porque quem eu queria me apaixonar. Não pelo garoto que mora do outro lado da rua, nem pelo meu maior amigo. Mas sim, por aquele que eu nunca vi na minha vida. Bem, e eu poderia jurar que gosto mesmo dele agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário